Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Está Tudo Tratado e Nada Resolvido

Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm opiniao...

Está Tudo Tratado e Nada Resolvido

Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm opiniao...

A tragédia de Billy Collins Jr.


Madison Square Garden, Nova York dia 16 de Junho de 1983.

William Ray Collins, Jr, conhecido por Billy Collins Jr. era um promissor pugilista do Tennessee. Tinha 21 anos e um percurso de 14 vitórias em 14 combates, das quais 11 por KO. Impressionante palmarés de um jovem treinado pelo seu pai.

O seu empresário preparava-o para o assalto ao título mundial. Agendou o combate com um mediano pugilista porto-riquenho, Luis Resto, de 29 anos.

Resto era um pugilista irregular com 19 vitórias, 7 derrotas e 3 empates. Se ganhasse o combate perante este jovem em ascensão, poderia relançar a sua carreira.

O jovem Collins era naturalmente o grande favorito e toda a gente acreditava que tinha valor para um dia chegar ao título, este combate faria parte desse trajeto.

O combate inicia-se e logo Collins se destaca pela mobilidade, mas vão trocando golpes reciprocamente, sem evidente predominância de qualquer um deles.

A partir do terceiro assalto inicia-se o surpreendente domínio de Luis Resto. Percebia-se a dificuldade de Collins em responder aos golpes do adversário. Mesmo na plateia verifica-se uma certa desilusão por aquilo que estavam a presenciar.

O combate é transmitido em direto pela televisão. Num dos intervalos a câmara dirige-se ao canto dos Collins:

- Ele é muito mais forte do que pensei, muito mais! Nunca pensei que Resto fosse tão forte. Parece que tem um tijolo nas mãos...

- Queres que mande acabar com o combate? – Perguntou-lhe o pai.

- Não... Eu vou pô-lo KO! – Respondeu Billy.

O combate durou 10 assaltos. Billy Collins Jr. no final tinha o rosto incrivelmente massacrado.

Embora tenha resistido até ao fim, era evidente que tinha perdido o combate. Pela primeira vez havia sido derrotado e não escondia a sua desilusão.

Luis Resto sabia que havia vencido e dirigiu-se ao canto do seu adversário para o cumprimentar, abraçou-o. Logo o pai de Billy agarrou a mãos do porto-riquenho.

Claro que era um homem do boxe e recordou-se do desabafo do filho acerca da potência dos golpes de Resto. Ao segurar as luvas apercebeu-se que havia algo de errado e chamou o árbitro.

É declarada a vitória de Luis Resto por unanimidade, mas as suas luvas foram apreendidas para serem inspeccionadas.
Duas semanas após o combate Luis Resto e o seu treinador Panamá Lewis, são banidos para sempre do boxe profissional. É apresentada queixa-crime contra ambos e são condenados a 2 e 3 anos de prisão efetiva, da sentença constava mesmo o termo “utilização de arma mortal”.

Haviam encontrado nas luvas de Luis Resto pó de argamassa em vez de espuma. Os golpes desferidos em Billy causaram-lhe lesões graves. Particularmente um dos olhos teve mesmo um descolamento da retina, o que levou os médicos a proibirem Collins de tornar a combater.

Aos 21 anos de idade acabava a carreia de um dos mais promissores pugilistas da sua geração.

A partir daí tudo na sua vida se alterou. Passou a andar em permanente depressão, perdeu 2 empregos.

9 meses após o combate com Luis Resto, morreu num acidente de automóvel aos 22 anos.

O seu pai sempre disse que não foi um acidente, Billy suicidou-se.

Esta história ocorrida há 31 anos está praticamente esquecida, mas é bom lembrar que para vencer não pode valer tudo...