Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Está Tudo Tratado e Nada Resolvido

Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm opiniao...

Está Tudo Tratado e Nada Resolvido

Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm opiniao...

Carta de despedida



Que importância temos se aqui estamos tão fugazmente? Se nos vamos na morte e em breve nada seremos?

Já o passado não dói porque passou e a seguir virá o resto, que também, em breve será recordação.

Quando me disseste adeus, chorei. Agora rio dessas lágrimas, porque já nada importa. Sente-se o sangue correr nos vasos, nas veias, nas artérias, que mais quero se ele flui? Basta-me estar a viver a superfície das coisas, porque a profundidade delas reside na morte, exatamente porque o tudo é nada na redundância deste ciclo de vida e morte.

É fria a noite, gelada a solidão, mas calma a sensação de não haver compromissos. Basta-me morar algumas horas em corpos de gente que nem conheço, gente que não sei a que horas jantam, ou se gostam de sopa de brócolos. E que importância tem isso? Muito melhor que sentir a responsabilidade de um objetivo, é viver a disponibilidade de ser incompleto mas vivo.

Da despedida indiferente, brotou a insensibilidade que sinto pela sensação de me sentir oco e inócuo. Vale a pena sofrer por algo? Claro que não, para que serve esta caneta que treme, esta carta inerte? Amanhã nascerá de novo o Sol e tudo se repete, as células de hoje morrem dando vida a outras mais jovens mas iguais, sem haver mutação nesta mudança. Rezam as histórias antigas de que tudo assim se forma e tudo assim se decompõe.

Sentimento para que serve? Até eu me acho ambiguo, incerto; não sei se amanhã vou querer o que hoje desejo. Então porquê exigir dos outros? Claro que não. Vivamos a nossa história com lógica e sem sobressaltos, porque tudo é linear e preconcebido, nada nasce do acaso. Lutar não serve de nada, só prejudica, desacelera o curso das coisas. Mais vale deixarmo-nos levar pela tormenta e nadar sem temor, acompanhando a corrente, porque não há surpresas e porque mais tarde ou mais cedo todos vamos desaguar no mesmo oceano. Que diferença faz ser daqui a cinco ou cem anos, não será igual?

Para que servem os conceitos de amor ou ódio? Não somos tão duradouros como isso, portanto nunca teremos tempo suficiente para os entendermos. Como tal teremos de viver sem os conhecermos realmente. Então como saberemos se eles existem?

Claro que não, nunca o saberemos. Se não sabemos a imensidão das coisas, também não poderemos subverte-las, adivinhar-lhes os princípios. Então nunca poderemos constatar a sua existência, ou antever-lhes os fins...

Tudo tem um ciclo biológico, se não dramatizarmos não sofremos e viveremos e morreremos, então para sempre seremos felizes.

Adeus!