Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Está Tudo Tratado e Nada Resolvido

Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm opiniao...

Está Tudo Tratado e Nada Resolvido

Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm opiniao...

Como melhorar o rating da República Portuguesa?




No âmbito dos meus deveres de cidadania, venho por intermédio deste texto singelo contribuir com a minha ajuda ao governo da Nação para que de uma vez por todas possamos resolver o problema que temos com o valor dos juros que nos são cobrados pela tomada da nossa divida pública.

Temos verificado a grande dificuldade que o nosso estimável governo tem sentido em conseguir colocar os rácios indicados pela UE nos níveis exigidos. Atente-se ao facto de ter sido necessária a ajuda uma Troika para nos colocar no correto caminho e não obstante o esforço despendido por esta “Task Force”, e porque o povo não corresponde aos altos designios propostos pelos nossos lideres, teimosamente os números têm-se mantido afastados do pretendido.

Debrucei-me sobre o tema e cheguei à conclusão que o problema reside num erro de análise. 

Ao contrario do que seria normal o problema está a jusante não a montante. A solução não está na alteração das contas públicas, são as agências de rating que procedem à avaliação dos riscos. Então se não repararem nos riscos não emitirão alertas sobre os mesmos. Ou seja se controlarmos os avaliadores de risco, teremos bons ratings.

Se não conseguimos ganhar com “fairplay”, compremos árbitro e a secretaria.

Daqui conclui que o investimento que o nosso Estado tem de fazer é nas agências de rating. Não deve ser difícil comprarmos os seus favores, nós somos especialistas nessa matéria. Basta um almoço aqui, um jantar acolá, uma prenda entregue em mãos, fazer lobby nos corredores dos centros económicos e os resultados surgirão em breve.

Temos entre nós grandes auditores financeiros, especializados em não ver, vide os nossos reguladores passados e actuais. Penso que com algumas workshops envolvendo os avaliadores, estes iluminados poderiam disseminar a sua forma de trabalhar e aí teriamos resultados ainda mais rápidos.

Imaginem a poupança. Nem precisaríamos de comprar as agências, pois que não teriamos dinheiro para isso, mas subornando uma duzia de funcionários teriamos a coisa resolvida.

Todas estas estratégias são absolutamente familiares aos nossos governantes, pelo que não seria difícil atingirmos os objetivos de melhoria dos ratings da Divida Soberana.

Resumindo: Não precisamos cumprir, basta-nos iludir os seguranças.

Sinto que já dei a minha colaboração e assim cumpri o meu dever de cidadão.