Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Está Tudo Tratado e Nada Resolvido

Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm opiniao...

Está Tudo Tratado e Nada Resolvido

Tratamento de temas interessantes de uma forma desinteressante. Abordagem inconsequente acerca da consequência das coisas. Tudo será devidamente tratado, mas sem qualquer resolução. Os leigos também têm opiniao...

Peter Francisco o português herói americano

 

 
"Um Hércules de 6 pés e meio de altura que empunhava um sabre de seis pés de comprimento, Peter Francisco foi provavelmente o soldado mais extraordinário da Guerra da Revolução Americana".
Joseph Gustaitis, na American History Magazine

Na sua vida a lenda e a realidade misturam-se de tal forma que se torna muito difícil distinguir uma da outra. Em Portugal a sua história é praticamente desconhecida.
 
Sabe-se que Pedro Francisco terá nascido em Porto Judeu, nos Açores em 1760. Muito cedo terá emigrado com a família para os Estados Unidos. Conta-se que aos cinco anos foi adoptado por um juiz de City Point na Virgínia.
 
Aos dezasseis anos, media 1,98 m e pesava 120 kgs, tornou-se ferreiro. A sua força física e estatura possibilitaram-lhe que se alistasse no 10º Regimento da Virgínia.

Em Setembro de 1777, serviu sob o comando do general George Washington em Brandywine Creek na Pensilvânia, onde as forças dos colonos tentaram deter o avanço de 12.500 soldados britânicos que avançavam em direcção a Filadélfia.

Foi o general George Washington quem determinou que uma espada especial adequada ao seu tamanho, fosse confeccionada para Francisco.

Washington terá dito posteriormente acerca de Peter Francisco: "Sem ele teríamos perdido duas batalhas cruciais, provavelmente a guerra e, com ela, a nossa liberdade. Ele era verdadeiramente um Exército de um Homem Só."

Na batalha de Camden em 1780 terá realizado um dos seus maiores feitos, quando, após os colonos se terem retirado diante dos britânicos, deixaram no terreno uma enorme peça de artilharia com cerca de 450 kgs. Afirma-se que Francisco a colocou às costas e a terá transportado para que não caísse nas mãos do inimigo. Em homenagem a esse feito, os correios dos Estados Unidos emitiram em 1974 um selo comemorativo.
 
Os seus feitos foram sendo relatados entre os soldados que lutavam pela independência face aos britânicos. Muitas vezes eram utilizadas para levantar o moral dos mal equipados soldados rebeldes.
 
Em 1850, o historiador Benson Lossing registou no "Pictorial Field Book of the Revolution" que "um bravo virginiano deitou abaixo 11 homens de uma só vez com a sua espada. Um dos soldados prendeu a perna de Francisco ao seu cavalo com uma baioneta. E enquanto o atacante, assistido pelo gigante, puxava pela baioneta, com uma força terrível, Francisco puxou da sua espada e fez uma racha até aos ombros na cabeça do pobre coitado!"
 
Mais tarde, enquanto recuperava dos ferimentos, Peter Francisco foi apresentado ao francês Marquês de Lafayette. Um francês que tinha vindo com um contingente militar para auxiliar os rebeldes na luta contra os britânicos.
 
Francisco sofreu mais seis ferimentos ao serviço do seu país, tendo morto um número incerto de britânicos e sido condecorado ao final do conflito por generais americanos que se certificaram de que ele estava presente na rendição do general Charles Cornwallis e dos britânicos em Yorktown, a 19 de Outubro de 1781.
 
Tornou-se um homem abastado, sendo nomeado para a Câmara de Representantes da Virgínia. Foi sepultado em 1831 com honras militares no Cemitério Shockoe Hill em Richmond, na Virgínia.